EDIÇÃO nº 940 | 23/03/2018

EDIÇÃO nº 940 | 23/03/2018

Melhore sua qualidade de vida

 

Nosso estado físico influencia diretamente nosso estado emocional, mental e vice-versa. É só observar quando estamos com dor de cabeça ou com sono o quanto a produtividade diminui. Obviamente, a qualidade de seus pensamentos e decisões são infinitamente melhores quando você está descansado, cheio de energia, alegre e animado. Nosso destino é definido pelas nossas decisões, que a todo instante moldam nosso futuro.

As faculdades de medicina ensinam tudo sobre doenças. Os médicos se tornam profundos conhecedores de patologias e sabem quais são os melhores tratamentos e remédios para cada tipo de doença. No entanto, infelizmente, eles se formam aprendendo muito pouco sobre saúde. Saber como tratar doenças é fundamental, porém mais necessário é saber como não ter doenças, conhecer os métodos para nos manter em um estado de equilíbrio para que as doenças não se manifestem. Se alguém acha isso utopia, saibam que, segundo pesquisas científicas atuais e de ponta, somente 5% das doenças são genéticas e 95% são causadas pelo seu estilo de vida: o que comemos; o que bebemos; o que respiramos; como nos movimentamos; e também como vivemos emocionalmente.
Nosso corpo é uma máquina fabulosa composta por 70 trilhões de células que sabem muito bem o que se deve fazer para estar sempre saudável. O problema é que a quantidade de agressão que o nosso corpo recebe, excede a capacidade do mesmo de se manter em equilíbrio. A cura e a doença vêm da qualidade do seu terreno biológico, que é reflexo de como você trata seu corpo.
Faz todo sentido aprendermos quais são os pilares do estilo de vida que nos dará saúde e energia para que nosso estado físico permita que estejamos sempre no auge de nossas capacidades para empreender e tomar decisões. Seguem os pilares que dou o nome de 5As:
1. Ar - Exercícios respiratórios lentos, profundos e ritmados impactam um marcador chamado de Índice de Variabilidade Cardíaca ou Heart Rate Variability (HRV). Estudos comprovam que quanto mais equilibrado o HRV, maior a qualidade e expectativa de vida. Parar de duas a três vezes ao dia, respirar lentamente e profundamente, já é suficiente para “harmonizar” o HRV.
2. Água - 70% do seu corpo é constituído de água. Sem água, nenhuma função metabólica acontece. Cerca de 1 a 2% de desidratação já causa uma série de distúrbios como ansiedade, insônia, dor de cabeça, constipação, fadiga, perda de força, fome exagerada e etc.
3. Alimentação - Nutrição é um tema controverso, mas prefiro a sabedoria dos milhões de anos da natureza definir o que é bom. Fuja de alimentos processados, industrializados, refinados e outros “ados”. Se 80% de sua dieta for de comida de verdade (frutas, verduras, grãos, peixes, sementes, especiarias etc), você pode se dar ao luxo de comer “tranqueiras” em torno de 20% de seu tempo. Seu corpo dará conta de se equilibrar. Só não pode fazer o contrário.
4. Atividade Física - Fomos feitos para o movimento, senão não teríamos tantas articulações e músculos. Tudo que você não usa, estraga; e com o seu corpo é igual. Não é fácil, mas ralar por 30 minutos qualquer um consegue.
5. Anti-estresse - Os médicos dizem que 90% das visitas aos consultórios são por estresse. Uma emoção negativa libera mais de 4,000 substâncias químicas, nocivas ao rganismo. Quer um antídoto para o estresse? Seja agradecido. Exercício de gratidão diário faz você enxergar a vida por outra perspectiva e o estresse tende a desaparecer. Você verá que já tem muito mais do que precisa.
Fernando Gabas – empresário

 

Proteção veicular cresce vendendo ilusões

 

Associações e cooperativas confundem milhões de consumidores com a venda de produto que parece seguro, mas não é.

A oferta de seguro de automóvel mais barato é tentadora. Com esse argumento, associações e cooperativas proliferam vendendo proteção veicular, um produto que parece seguro, mas não é. Estima-se que, atualmente, mais de 5 milhões de consumidores tenham adquirido a proteção veicular de alguma das mais de 1,7 mil entidades, acreditando tratar-se de um seguro. “Nada mais enganoso. Proteção veicular é tudo menos seguro”, diz o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), João Francisco Borges da Costa.
Para a advogada da Confederação das Seguradoras (CNseg) Ana Paula de Barcellos, a proteção veicular pode ser caracterizada como uma fraude ou abuso aos direitos do consumidor. “Essas entidades se organizam como associações para fugir da regulamentação do mercado de seguros, mas na verdade não atendem aos requisitos legais das associações”. De acordo com a legislação, as associações não podem desenvolver atividades lucrativas, ofertando bens e serviços de caráter empresarial. “Essas entidades formam um mercado marginal. Sem qualquer supervisão das autoridades, atentam contra a economia popular e deixam o cidadão ao desamparo”.
O comprador de proteção veicular não pode contar com o amparo do Código de Defesa do Consumidor caso não receba a indenização. Isso porque ele não é consumidor, mas associado ou cooperado. O associado assina um contrato de responsabilidade mútua e divide o risco com os demais membros. Em caso de prejuízo, todos dividem as perdas. É um sistema que não oferece segurança alguma ao associado. O pagamento de indenização depende do caixa da entidade.
Nos últimos dois anos o número de associações e cooperativas mais que dobrou. A Agência de Auto Regulamentação das Associações de Proteção Veicular (AAAPV) calcula a existência de 1,7 mil em atividade. Em parte, esse avanço é resultado da crise financeira e de suas consequências, como o desemprego e a escalada da violência, que impactam no preço do seguro de automóvel.
Para o presidente do sindicato paulista dos corretores de seguros, Sincor-SP, Alexandre Camillo, não é possível comparar proteção veicular com seguro. “Talvez, o mercado tenha sua parcela de culpa”, admite o presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), Armando Vergílio dos Santos. Ele aponta o atraso na regulamentação do seguro auto popular – produto que o mercado acredita possa barrar o avanço da proteção veicular – como um dos motivos.
Nos últimos anos, o seguro de automóvel vem perdendo mercado. Em 2014, cresceu 9%; em 2015, 3%; e em 2016, apenas 2%. Não há dados que confirmem, mas, coincidência ou não, a proteção veicular cresceu nesse período. No ano passado, com o reaquecimento da venda de veículos, o faturamento do ramo aumentou 5,3%, atingindo R$ 2,572 bilhões em prêmios.
Em geral, os consumidores de proteção veicular sofrem com o mau atendimento, com a demora exagerada para receber indenização - nas vezes em que são pagas – e com informações inexatas. Fonte: Revista APTS 

 

Trânsito mate seis mil e deixa 40 mil inválidos em dois meses

 

Mais de seis mil indenizações pagas a beneficiários de pessoas mortas em decorrência de acidentes de trânsito e mais de 40 mil pagamentos a inválidos. Esse é o alarmante saldo da Seguradora Líder na mais recente edição do seu Boletim Estatístico, referente apenas ao primeiro bimestre deste ano. O Seguro DPVAT pagou nos dois últimos meses, a cada 24 horas, 959 indenizações diretamente a vítimas ou aos seus beneficiários.

No total, foram 56.581 indenizações pagas, sendo 40.463 por invalidez permanente da vítima, 6.091 por morte e 10.027 reembolsos de despesas médico-hospitalares (DAMS).
De acordo com o Boletim Estatístico da Seguradora Líder, quase metade (48%) das indenizações foi destinada a vítimas com idade entre 18 e 34 anos. Outro dado alarmante: 76% dessas indenizações estão relacionadas a acidentes de moto, mesmo com as motocicletas representando apenas 27% da frota nacional de veículos.
No período, as regiões Nordeste e Sudeste responderam por 32% e 29% das indenizações pagas, respectivamente. Vale destacar que o Nordeste, embora tenha apenas a 3ª maior frota do país, com 17% dos veículos nacionais, concentrou o maior número de indenizações pagas.
A maior incidência de acidentes continua sendo no período do anoitecer, entre as 17h e as 19h59, concentrando 24% dos acidentes indenizados no primeiro bimestre de 2018. Fonte: CQCS
 

Governo aprova R$ 384 milhões para Seguro Rural

 

O Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural aprovou o orçamento do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) para o exercício 2018, que será no montante de R$ 384 milhões. A distribuição do valor foi aprovada semana passada e está descrita em resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU).

De acordo com o Ministério da Agricultura, com esse recurso será possível subvencionar a contratação de aproximadamente 70 mil apólices, abrangendo mais de 50 culturas.
Do montante total, R$ 115 milhões serão destinados à contratação de apólices para o milho safrinha, trigo e demais grãos de inverno, R$ 175 milhões para os grãos de verão (soja, milho, arroz, feijão e demais grãos), R$ 72 milhões para as frutas, R$ 1 milhão para o seguro pecuário e R$ 21 milhões para as demais culturas Fonte: CNseg

 

A importância de aliar a tecnologia mobile ao seu negócio

 

A tecnologia mobile revolucionou a forma de fazer negócios e trouxe às empresas um novo cenário para aposta: o dos aplicativos (Apps). Em um mundo no qual há mais celulares que televisões, é impossível terminar o dia sem recorrer à tela do telefone móvel. 

A era digital modificou os hábitos dos consumidores e obrigou as empresas a repensarem os seus negócios e desenhar novas estratégias para se manterem competitivas no mercado atual. Os Apps são uma dessas táticas de melhorias nas transações.
Para transformar o modelo de negócio para o cliente e atender às expectativas dos consumidores da nova era digital, principalmente os millennials (indivíduos que nasceram entre 1980 e 2000), é preciso levar em conta o que o público em questão espera encontrar ao baixar um aplicativo. Para isso, antes de mais nada, é preciso utilizar abordagens como Design Thinking, Lean Inception, dentre outras, para alinhar o produto aos desejos do usuário final. Quanto mais recursos as empresas puderem gerar por meio de um clique, mais assertiva será a abordagem com o cliente.
Mas como desenvolver um aplicativo que atenda às expectativas do consumidor final? Para lançar uma boa solução no mercado é fundamental contar com uma equipe preparada de arquitetos, especialistas em usabilidade. O roadmap do produto deve ser decidido sob a orientação de grupos multidisciplinares. Muitos desses desenvolvedores são full-stack e estão preparados para desenhar a melhor arquitetura, aliando a tudo isso com a boa experiência final do cliente.
Antes de iniciar qualquer projeto de um novo App, precisamos saber qual o objetivo a empresa deseja atingir. Essa pergunta precisa ser feita para não errar no produto e aliar a marca à tecnologia mobile. A competição no mundo digital exige criatividade nos negócios, constante atualização para não ficar para trás e assertividade na entrega da solução. Um projeto estruturado e apoiado por um bom time de profissionais é o que garante o sucesso de qualquer iniciativa.
Quando um aplicativo é bem desenvolvido, permite que os clientes acessem sua empresa de forma assertiva, a partir de qualquer lugar e a qualquer momento. Por isso, é primordial que, durante o desenho do projeto, a usabilidade seja analisada, assim como o conteúdo que será divulgado e as funcionalidades a serem oferecidas.
Ao disponibilizar um aplicativo, a empresa estreita os laços com os clientes e permite que eles se aproximem cada vez mais do seu negócio. Ao contrário do site, que é um ambiente no qual as pessoas procuram por informações, o aplicativo é um sistema de interação constante. A velha e funcional estratégia de negócio se mantém a mesma: quem não é visto não é lembrado.
Sem dúvida, a tecnologia mobile não vai parar de crescer. No atual mundo digital, os aplicativos deixaram de ser coadjuvantes e passaram a ocupar uma posição de destaque para o sucesso da estratégia de negócios das organizações. Mas não se esqueça: é fundamental se certificar que o desenvolvimento de novos aplicativos seja feito por um parceiro tecnológico experiente, com um bom time de profissionais. Não basta ter um App, é preciso planejar previamente seu uso e os objetivos empresariais a serem atingidos. Fonte: Segs

 

Dúvidas de Seguros

A vistoria prévia feita pela seguradora caracteriza aceitação do seguro pela seguradora?

Não. A vistoria prévia simplesmente significa a faculdade do segurador analisar o risco que se responsabilizará no caso de aceitação do seguro.

 

Saúde

Estresse

O estresse é a palavra da moda que as pessoas ocupadas, ou que se consideram assim, utilizam diariamente para descreverem o estado em que estão. Fazendo uma análise mais profunda, estresse nada mais é do que medo. Medo de que algo possa te agredir ou prejudicar.
Há milênios, nossos ancestrais também sentiam esse estresse emocional ao se deparar com um predador ou em qualquer situação de perigo. O ruim é que nos dias atuais, quase tudo que acontece é motivo para desencadear o estresse. No fundo, o problema não está no estresse, que é natural e pode até te ajudar a sobreviver numa situação de perigo real. O problema está na percepção do ser humano que considera várias experiências no dia a dia como perigosas e “estressantes”.
A causa está na percepção. Ao mudarmos a percepção, mudamos o sentimento e portanto mudamos a reação física. E como mudar a percepção? Dois fatores: O estado emocional que você comumente vive e o significado que você dá aos fatos.
Cultive estados de compreensão, não–julgamento, apreço, alegria e principalmente gratidão e o estresse desaparece porque certamente o significado que você dá aos fatos nesses estados é bem diferente de que quando você está nervoso, com raiva ou com medo. Pode parecer piegas mas emoções como gratidão são o melhor antídoto para o estresse. Fonte: oqueimportana vida.com

 

Orientação Segura

Dois caminhos

Existem durante nossa vida, sempre dois caminhos a seguir: aquele que todo mundo segue, e aquele que a nossa imaginação nos leva a seguir. O primeiro pode ser mais seguro, o mais confiável, o menos crítico, o que você encontrará mais amigos…mas, você será apenas mais um a caminhar.
O segundo, com certeza vai ser o mais difícil, mais solitário, o que você terá maiores críticas; mas também, o mais criativo, o mais original possível. Não importa o que você seja, quem você seja, ou que deseja na vida, a ousadia em ser diferente reflete na sua personalidade, no seu caráter, naquilo que você é. E é assim que as pessoas lembrarão de você um dia. Ayrton Senna 

 

Ação positiva

 

"Quando duas pessoas trocam seus pães, cada uma volta com um pão, quando trocam ideias, voltam com duas ideias." Buda

Sub-categorias

EDIÇÃO nº 956 | 13/07/2018 EDIÇÃO nº 955 | 06/07/2018 EDIÇÃO nº 954 | 29/06/2018 EDIÇÃO nº 953 | 22/06/2018 EDIÇÃO nº 952 | 15/06/2018 EDIÇÃO nº 951 | 08/06/2018 EDIÇÃO nº 950 | 01/06/2018 EDIÇÃO nº 949 | 25/05/2018 EDIÇÃO nº 948 | 18/05/2018 EDIÇÃO nº 947 | 11/05/2018 EDIÇÃO nº 946 | 04/05/2018 EDIÇÃO nº 945 | 27/04/2018 EDIÇÃO nº 944 | 20/04/2018 EDIÇÃO nº 943 | 13/04/2018 EDIÇÃO nº 942 | 06/04/2018 EDIÇÃO nº 941 | 30/03/2018 EDIÇÃO nº 940 | 23/03/2018 EDIÇÃO nº 939 | 16/03/2018 EDIÇÃO nº 938 | 09/03/2018 EDIÇÃO nº 937 | 02/03/2018 EDIÇÃO nº 936 | 23/02/2018 EDIÇÃO nº 935 | 16/02/2018 EDIÇÃO nº 934 | 09/02/2018 EDIÇÃO nº 933 | 02/02/2018 EDIÇÃO nº 932 | 26/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 22/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 19/01/2018 EDIÇÃO nº 930 | 12/01/2018 EDIÇÃO nº 929 | 05/01/2017 EDIÇÃO nº 928 | 29/12/2017 EDIÇÃO nº 927 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 15/12/2017 EDIÇÃO nº 925 | 08/12/2017 EDIÇÃO nº 924 | 01/12/2017 EDIÇÃO nº 923 | 24/11/2017 EDIÇÃO nº 922 | 17/11/2017 EDIÇÃO nº 921 | 10/11/2017 EDIÇÃO nº 920 | 03/11/2017 EDIÇÃO nº 919 | 27/10/2017 EDIÇÃO nº 918 | 20/10/2017 EDIÇÃO nº 917 | 13/10/2017 EDIÇÃO nº 916 | 06/10/2017 EDIÇÃO nº 915 | 29/09/2017 EDIÇÃO nº 914 | 22/09/2017 EDIÇÃO nº 913 | 15/09/2017 EDIÇÃO nº 912 | 08/09/2017 EDIÇÃO nº 911 | 01/09/2017 EDIÇÃO nº 910 | 25/08/2017 EDIÇÃO nº 909 | 18/08/2017 EDIÇÃO nº 908 | 11/08/2017 EDIÇÃO nº 907 | 04/08/2017 EDIÇÃO nº 906 | 28/07/2017 EDIÇÃO nº 905 | 21/07/2017 EDIÇÃO nº 904 | 14/07/2017 EDIÇÃO nº 903 | 07/07/2017 EDIÇÃO nº 902 | 30/06/2017 EDIÇÃO nº 901 | 23/06/2017 EDIÇÃO nº 900 | 16/06/2017 EDIÇÃO nº 899 |09/06/2017 EDIÇÃO nº 898 | 02/06/2017 EDIÇÃO nº 897 | 26/05/2017 EDIÇÃO nº 896 | 19/05/2017 EDIÇÃO nº 895 | 12/05/2017 EDIÇÃO nº 894 | 05/05/2017 EDIÇÃO nº 893 | 28/04/2017 EDIÇÃO nº 892 | 21/04/2017 EDIÇÃO nº 891 | 14/04/2017 EDIÇÃO nº 890 | 07/04/2017 EDIÇÃO nº 889 | 31/03/2017 EDIÇÃO nº 888| 24/03/2017 EDIÇÃO nº 887 | 17/03/2017 EDIÇÃO nº 886 | 10/03/2017 EDIÇÃO nº 885 | 03/03/2017 EDIÇÃO nº 884 | 24/02/2017 EDIÇÃO nº 883 | 17/02/2017 EDIÇÃO nº 882 | 10/02/2017 EDIÇÃO nº 881 | 03/02/2017 EDIÇÃO nº 880 | 27/01/2017 EDIÇÃO nº 879 | 23/01/2017 EDIÇÃO nº 878 | 13/01/2017 EDIÇÃO nº 877 | 09/01/2017 EDIÇÃO nº 876 | 30/12/2016 EDIÇÃO nº 875 | 23/12/2016 EDIÇÃO nº 874 | 16/12/2016 EDIÇÃO nº 873 | 12/12/2016 EDIÇÃO nº 872 | 02/12/2016 EDIÇÃO nº 871 | 25/11/2016 EDIÇÃO nº 870 | 18/11/2016 EDIÇÃO nº 869 | 11/11/2016 EDIÇÃO nº 868 | 04/11/2016 EDIÇÃO nº 867 | 28/10/2016 EDIÇÃO nº 866 | 21/10/2016 EDIÇÃO nº 865 | 14/10/2016 EDIÇÃO nº 862 | 24/09/2016 EDIÇÃO nº 861 | 16/09/2016 EDIÇÃO nº 860 | 09/09/2016 EDIÇÃO nº 859 | 02/09/2016 EDIÇÃO nº 858 | 26/08/2016 EDIÇÃO nº 855 | 22/08/2016 EDIÇÃO nº 854 | 29/07/2016 EDIÇÃO nº 853 | 22/07/2016 EDIÇÃO nº 852 | 15/07/2016 EDIÇÃO nº 851 | 08/07/2016 EDIÇÃO nº 850 | 01/07/2016 EDIÇÃO nº 849 | 24/06/2016 EDIÇÃO nº 848 | 17/06/2016 EDIÇÃO nº 847 | 10/06/2016 EDIÇÃO nº 846 | 03/06/2016 EDIÇÃO nº 845 | 27/05/2016 EDIÇÃO nº 844 | 20/05/2016 EDIÇÃO nº 843 | 13/05/2016 EDIÇÃO nº 842 | 06/05/2016 EDIÇÃO nº 841 | 29/04/2016 EDIÇÃO nº 840 | 22/04/2016 EDIÇÃO nº 839 | 15/04/2016 EDIÇÃO nº 838 | 08/04/2016 EDIÇÃO nº 837 | 01/04/2016 EDIÇÃO nº 836 | 25/03/2016 EDIÇÃO nº 835 | 19/03/2016 EDIÇÃO nº 834 | 11/03/2016 EDIÇÃO nº 833 | 04/03/2016 EDIÇÃO nº 832 | 26/02/2016 EDIÇÃO nº 831 | 18/02/2016 EDIÇÃO nº 830 | 12/02/2016 EDIÇÃO nº 829 | 05/02/2016 EDIÇÃO nº 828 | 29/01/2016 EDIÇÃO nº 827 | 22/01/2016 EDIÇÃO nº 826 | 15/01/2016 EDIÇÃO nº 825 | 08/01/2016 EDIÇÃO nº 824 | 01/01/2016 EDIÇÃO nº 823 | 25/12/2015 EDIÇÃO nº 822 | 18/12/2015 EDIÇÃO nº 821 | 11/12/2015 EDIÇÃO nº 820 | 04/12/2015 EDIÇÃO nº 819 | 27/11/2015 EDIÇÃO nº 818 | 20/11/2015 EDIÇÃO nº 817 | 13/11/2015 EDIÇÃO nº 816 | 06/11/2015 EDIÇÃO nº 815 | 30/10/2015 EDIÇÃO nº 814 | 23/10/2015 EDIÇÃO nº 813 | 16/10/2015 EDIÇÃO nº 812 | 09/10/2015 EDIÇÃO nº 811 | 02/10/2015 EDIÇÃO nº 810 | 25/09/2015 EDIÇÃO nº 809 | 18/09/2015 EDIÇÃO nº 808 | 11/09/2015 EDIÇÃO nº 807 | 04/09/2015 EDIÇÃO nº 806 | 28/08/2015 EDIÇÃO nº 805 | 21/08/2015 EDIÇÃO nº 804 | 14/08/2015 EDIÇÃO nº 803 | 07/08/2015 EDIÇÃO nº 802 | 31/07/2015 EDIÇÃO nº 801 | 24/07/2015 EDIÇÃO nº 800 | 17/07/2015 EDIÇÃO nº 799 | 10/07/2015 EDIÇÃO nº 798 | 26/06/2015 EDIÇÃO nº 797 | 19/06/2015 EDIÇÃO nº 796 | 12/06/2015 EDIÇÃO nº 795 | 05/06/2015 EDIÇÃO nº 794 | 29/05/2015 EDIÇÃO nº 793 | 22/05/2015 EDIÇÃO nº 792 | 15/05/2015 EDIÇÃO nº 791 | 07/05/2015 EDIÇÃO nº 790 | 01/05/2015 EDIÇÃO nº 788 | 17/04/2015 EDIÇÃO nº 787 | 10/04/2015 EDIÇÃO nº 786 | 03/04/2015 EDIÇÃO nº 785 | 27/03/2015 EDIÇÃO nº 784 | 20/03/2015 EDIÇÃO nº 781 | 20/02/2015 EDIÇÃO nº 779 | 06/02/2015 EDIÇÃO nº 778 | 30/01/2015 EDIÇÃO nº 777 | 23/01/2015 EDIÇÃO nº 776 | 16/01/2015 EDIÇÃO nº 775 | 09/01/2015