EDIÇÃO nº 953 | 22/06/2018

EDIÇÃO nº 953 | 22/06/2016

Lidar com o sofrimento, um aprendizado

 

Mais importantes que os obstáculos que a vida nos impõe são nossas forças para ultrapassá-los e tirar deles lições importantes. Portanto, em vez de tentar impedir que nossas crianças sofram, deveríamos ajudá-las a desenvolver seu potencial interior, a fim de serem capazes de adquirir competência para suportar dores físicas e mentais.

Não se pode evitar, por exemplo, que uma criança sofra com a morte precoce do pai. O que interessa é ajudá-la a desenvolver, mais cedo do que seria natural, competência para lidar com a dor da perda afetiva, com responsabilidades maiores do que as que se poderia pretender para aquela idade; a mobilizar, enfim, toda a sua energia interior para ultrapassar, da melhor maneira possível, essa experiência marcante e dramática.
A expressão “da melhor maneira possível” é importante, pois não há como impedir alguns desdobramentos. Por exemplo: o desenvolvimento precoce da responsabilidade poderá influir na sua história de vida, tornando-a menos capaz para o lazer e excessivamente preocupada com as pessoas que dependerão dela. Não há muito o que fazer, a não ser compreender que aquilo que somos hoje é fruto da forma como nosso cérebro respondeu aos obstáculos da vida.
Acredito que algumas crianças nasçam com maior tolerância às dores. As que não nascem assim tendem a agir com agressividade e descontrole quando frustradas. É nosso dever ajudá-las a desenvolver a tolerância; isso será uma conquista mais difícil para elas e exigirá maior energia por parte do educador. A título de comparação, sabemos que algumas crianças nascem com maior facilidade para aprender a tocar um instrumento musical. Para as menos dotadas, será preciso um número maior de aulas e muito mais persistência, para que se saia tão bem quanto outra, que tocará apenas “de ouvido”.
O importante, no caso da capacidade de lidar com dores, é não aceitar o “estopim curto” das mais intolerantes como se isso fosse uma peculiaridade irreversível. Devemos lutar para ajudá-las a aprender a não reagir com violência diante das contrariedades inevitáveis da vida. Insisto nesse ponto, pois é indispensável que a criança possa ultrapassar o egoísmo natural e respeitar os direitos dos outros – o que, não raramente, implica frustrações e renúncia de alguns dos seus desejos.
Somos diferentes em quase todos os aspectos da nossa constituição física e psíquica. As variações da inteligência são enormes, e também as relacionadas à agressividade, intensidade dos medos e capacidade de lidar com eles. O vigor físico varia tanto no que diz respeito à saúde como à força muscular e à estatura. Nossa aparência física é única e sujeita a julgamentos próprios de cada época e lugar.
Você já observou como a beleza, principalmente a feminina, pode determinar o destino uma pessoa? A menina bonita é tratada com mais deferência desde a infância. Ao sair com suas crianças, os pais gostam de exibi-la como uma espécie de “obra-prima”. A menina compreende tudo e, desde cedo, se percebe como uma pessoa especial, uma espécie de princesa. Ao observar o mundo saberá que “beleza é fundamental”, que é um grande valor e privilégio. Com a chegada da puberdade, receberá todo tipo de convites, de facilidades, sentirá que todas as portas do mundo estarão abertas para ela.
É, como dizia um autor norte-americano, uma “celebridade genética”, famosa sem ter feito nada além de nascer. Tenderá a se acomodar a essas facilidades, tornando-se pouco disciplinada e nada esforçada para atividades intelectuais e profissionais, o que poderá lhe custar grandes prejuízos no futuro. Por Flávio Gikovate, médico psiquiatra

 

Benefícios do seguro auto vão além do carro

 

O seguro automóvel vai muito além da proteção veicular, mas proporciona uma série de benefícios aos clientes além das tradicionais coberturas de furto, roubo, colisão e incêndio para automóvel. Serviços para o pet, ingressos para shows, chaveiro, encanador, eletricista e até mesmo descontos em estabelecimentos e produtos, são alguns exemplos.
As opções variam entre as seguradoras, mas o objetivo é bem claro: acabar com o mito de que seguro é um investimento que não se usa. Ao contratar um seguro auto, é importante buscar informações com o corretor e conhecer o que é ofertado.
Em Chapecó e região, procure a Certa Corretora de Seguros e conheça os benefícios que vem junto com o seguro veículo. Ligue para 3321 1100.

 

Cuidado com o bolso: sua velhice vem aí

 

"A longo prazo estaremos todos mortos". Ninguém questiona que o economista inglês John Keynes (1883-1946), autor dessa frase, estava certo a respeito do nosso futuro. Mas ele provavelmente não imaginava que o longo prazo ficaria mais longo ainda, inclusive no Brasil. A longevidade do brasileiro está aumentando e, segundo o IBGE, 30% da população será formada, em 2028, por pessoas com mais de 50 anos de idade.

E quando cresce a expectativa de vida, cresce também a importância de planejar a situação financeira na velhice, certo? Deveria ser, mas infelizmente isso não acontece no Brasil. Estudos mostram que poupar não é da natureza humana, mas no âmbito nacional essa tendência é especialmente marcante.
Levantamento do Datafolha revelou que o brasileiro é imediatista e que 65% da população não guarda dinheiro para o futuro, número extremamente preocupante em um país onde a ineficiência do sistema previdenciário tornou emergencial uma Reforma da Previdência, ainda sem data definida. Analisando as projeções de crescimento populacional no nosso país, é fácil entender que, no modelo atual, a previdência social não chegará a 2050 sem uma profunda reforma. A projeções indicam que, da forma que esta, a previdência no Brasil custará ao país quatro vezes mais do que custa, em média, nos outros países.
Claro, não é fácil poupar no Brasil. Em países nos quais há menos desigualdade social e mais serviços públicos de qualidade, principalmente, na Educação e na Saúde, além de uma Previdência confiável, a necessidade de economizar não é tão evidente. Isso, no entanto, não muda o fato de que a falta de planejamento financeiro representa um problema grave em nosso país, capaz de tornar a chamada "melhor idade" em um verdadeiro pesadelo para muitos.
É por essa razão que a previdência privada, ou complementar, ganha cada vez mais força como opção de investimento para garantir uma aposentadoria confortável. Enquanto no modelo governamental vigente - administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) - não é possível escolher o valor da contribuição, já que é automático e proporcional ao salário recebido, na previdência privada o beneficiário pode investir o quanto quiser, pelo tempo que quiser, de acordo com seus objetivos e sua disponibilidade, e estipular renda mensal superior à definida pelo Governo.
No entanto, mais importante que qualquer modalidade de investimento - ações, fundos de renda fixa e moedas virtuais são outras opções - é aprender a poupar, a controlar os gastos. É um desafio considerável, diante de tantas despesas e um orçamento apertado ou até deficitário, algo que é a realidade de tantos brasileiros. Mas desafio maior ainda é contar apenas com a previdência social para suprir suas necessidades básicas quando o futuro tornar-se presente. A longo prazo, enquanto ainda estivermos vivos, nossa saúde financeira também será fundamental. Fonte: Revista Apólice

 

Uso correto do capacete pode reduzir
até 40% os acidentes fatais com moto

 

O capacete é o item de segurança mais importante para o motociclista. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a utilização do acessório reduz em até 40% o risco de morte e em até 70% as chances de o motociclista ter lesões mais graves na cabeça. Não para por aí. O Ministério da Saúde, com base em outros estudos, aponta que traumatismos crânio encefálicos e 65% dos traumatismos da face são prevenidos com o uso do capacete.

A necessidade de se usar equipamentos de proteção se demonstra ainda mais importante quando se verifica o número de acidentes sofridos por motociclistas. De janeiro a setembro de 2014, a moto foi o veículo que teve o maior número de indenizações pagas pelo Seguro DPVAT, com 75% do total de indenizações, sendo que a motocicleta corresponde a apenas 27% da frota nacional. Se você quer diminuir o risco de acidentes, precisa se prevenir.
Motociclista que utilizar equipamento sem a certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) pode sofrer penalização de infração grave. O prejuízo é de R$ 127,69 e perda de cinco pontos na carteira.
Existem diversos modelos de capacete disponíveis no mercado. O ideal é comprar um capacete que tenha tamanho correto. O acessório deve ficar justo à cabeça, caso contrário, a probabilidade de o equipamento cair com o impacto é maior, expondo o motociclista a risco.
Fonte: Gente Seguradora

 

Crescimento de seguros coletivos surpreende mercado

 

O vice-presidente de Vida em Grupo da Prudential do Brasil, Carlos Guerra, destaca o papel do corretor de seguros como fundamental para o bom desempenho apurado no ramo vida no início deste ano. 

Segundo ele, o corretor tem tido “incansável atuação” na disseminação da importância do seguro de vida em grupo como um dos benefícios fundamentais para os funcionários das empresas contratantes, fazendo com que, cada vez mais, os brasileiros possam contar com essa importante proteção em suas vidas.
Ele comemorou ainda o “excelente resultado” apurado no segmento de seguros coletivos no primeiro trimestre. “Os seguros coletivos cresceram 9,8%, acima da expectativa do mercado para o ano, que é de 8% de aumento em um cenário otimista. Esse excelente resultado ultrapassa, inclusive, o seguro auto, que registrou 8,4% de elevação no mesmo período”, afirmou, citando dados oficiais da Susep.
Guerra ressalta também o crescimento do ramo vida em grupo, que responde por quase 40% dos seguros coletivos e que avançou 4,5% no primeiro trimestre. Na visão dele, esse desempenho positivo, que trouxe otimismo para o mercado, está diretamente relacionado com o ambiente macroeconômico, que vem, aos poucos, apresentando uma recuperação.
Para o executivo, o mercado terá pela frente alguns desafios importantes, como o fato de a cultura do seguro de vida ainda ser baixa no Brasil, se comparada aos outros países. “Atualmente, a participação de seguros de pessoas no país é de apenas 2,3% do PIB, considerando os produtos VGBL. No Japão, por exemplo, este percentual é de 7,1%, segundo Relatório da Swiss Re”, observou.
Ele adiantou ainda que a Prudential segue contando sempre com a parceria dos corretores de seguros, que são “os principais agentes desse mercado, responsáveis em levar nossas soluções até as empresas e segurados”.
Guerra demonstrou otimismo também quanto ao desempenho da economia. Na avaliação dele, as expectativas são positivas em relação à retomada da economia no país, com a visão de longo prazo. “Além disso, a projeção do mercado é otimista para o seguro de pessoas, o que nos deixa ainda mais confiantes”, frisou. Fonte: Cqcs

 

Dúvidas de Seguros

A vistoria prévia feita pela seguradora caracteriza aceitação do seguro pela seguradora?

Não. A vistoria prévia simplesmente significa a faculdade do segurador analisar o risco que se responsabilizará no caso de aceitação do seguro.

 

Saúde

Dicas para a saúde mental

Seja realista. Adapte suas expectativas aos seus ideais levando em consideração as possibilidades que você teve para alcançar as metas pretendidas.
Evite frustrações. Não exija mais do que você realmente pode fazer.
Evite o consumo de álcool e outras drogas. O consumo e abuso das substancias psicoativas aumentam as chances de você desenvolver transtornos mentais. Se você tiver algum transtorno, o consumo delas pode agravar sua situação. Além disso, elas causam problemas degenerativos ao cérebro.
Seja sociável. A interação social é um fator de proteção ao surgimento de transtornos mentais. Então, saia com os amigos, vá à casa de familiares ou faça atividades em grupos om os mesmos interesses que você.
Cuide do corpo. É comprovado cientificamente que aliar a alimentação balanceada às atividades físicas é uma medida que ajuda a combater transtornos mentais.
Durma bem. Privação ou má qualidade do sono pode levar ao surgimento de transtornos mentais. Evite celular, tablete, computador ou ver televisão, pelo menos 30 minutos antes de dormir, assim como se deve evitar luz forte ou moderada no ambiente. Fonte: Viva Saúde

 

Orientação Segura

O milagre do hoje

Podemos acreditar que tudo que a vida nos oferecerá no futuro é repetir o que fizemos ontem e hoje. Mas, se prestarmos atenção, vamos nos dar conta de que nenhum dia é igual a outro. Cada manhã traz uma benção escondida; uma benção que só serve para esse dia e que não se pode guardar nem desaproveitar.
Se não usamos este milagre hoje, ele vai se perder. Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver cada minuto porque ali encontramos a saída de nossas confusões, a alegria de nossos bons momentos, a pista correta para a decisão que tomaremos. Nunca podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, porque estamos em constante processo de mudança. Por Paulo Coelho

 

Ação positiva

 

"É impossível progredir sem mudança, e aqueles que não mudam suas mentes, não podem mudar nada." George Bernard Shaw

Sub-categorias

EDIÇÃO nº 956 | 13/07/2018 EDIÇÃO nº 955 | 06/07/2018 EDIÇÃO nº 954 | 29/06/2018 EDIÇÃO nº 953 | 22/06/2018 EDIÇÃO nº 952 | 15/06/2018 EDIÇÃO nº 951 | 08/06/2018 EDIÇÃO nº 950 | 01/06/2018 EDIÇÃO nº 949 | 25/05/2018 EDIÇÃO nº 948 | 18/05/2018 EDIÇÃO nº 947 | 11/05/2018 EDIÇÃO nº 946 | 04/05/2018 EDIÇÃO nº 945 | 27/04/2018 EDIÇÃO nº 944 | 20/04/2018 EDIÇÃO nº 943 | 13/04/2018 EDIÇÃO nº 942 | 06/04/2018 EDIÇÃO nº 941 | 30/03/2018 EDIÇÃO nº 940 | 23/03/2018 EDIÇÃO nº 939 | 16/03/2018 EDIÇÃO nº 938 | 09/03/2018 EDIÇÃO nº 937 | 02/03/2018 EDIÇÃO nº 936 | 23/02/2018 EDIÇÃO nº 935 | 16/02/2018 EDIÇÃO nº 934 | 09/02/2018 EDIÇÃO nº 933 | 02/02/2018 EDIÇÃO nº 932 | 26/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 22/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 19/01/2018 EDIÇÃO nº 930 | 12/01/2018 EDIÇÃO nº 929 | 05/01/2017 EDIÇÃO nº 928 | 29/12/2017 EDIÇÃO nº 927 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 15/12/2017 EDIÇÃO nº 925 | 08/12/2017 EDIÇÃO nº 924 | 01/12/2017 EDIÇÃO nº 923 | 24/11/2017 EDIÇÃO nº 922 | 17/11/2017 EDIÇÃO nº 921 | 10/11/2017 EDIÇÃO nº 920 | 03/11/2017 EDIÇÃO nº 919 | 27/10/2017 EDIÇÃO nº 918 | 20/10/2017 EDIÇÃO nº 917 | 13/10/2017 EDIÇÃO nº 916 | 06/10/2017 EDIÇÃO nº 915 | 29/09/2017 EDIÇÃO nº 914 | 22/09/2017 EDIÇÃO nº 913 | 15/09/2017 EDIÇÃO nº 912 | 08/09/2017 EDIÇÃO nº 911 | 01/09/2017 EDIÇÃO nº 910 | 25/08/2017 EDIÇÃO nº 909 | 18/08/2017 EDIÇÃO nº 908 | 11/08/2017 EDIÇÃO nº 907 | 04/08/2017 EDIÇÃO nº 906 | 28/07/2017 EDIÇÃO nº 905 | 21/07/2017 EDIÇÃO nº 904 | 14/07/2017 EDIÇÃO nº 903 | 07/07/2017 EDIÇÃO nº 902 | 30/06/2017 EDIÇÃO nº 901 | 23/06/2017 EDIÇÃO nº 900 | 16/06/2017 EDIÇÃO nº 899 |09/06/2017 EDIÇÃO nº 898 | 02/06/2017 EDIÇÃO nº 897 | 26/05/2017 EDIÇÃO nº 896 | 19/05/2017 EDIÇÃO nº 895 | 12/05/2017 EDIÇÃO nº 894 | 05/05/2017 EDIÇÃO nº 893 | 28/04/2017 EDIÇÃO nº 892 | 21/04/2017 EDIÇÃO nº 891 | 14/04/2017 EDIÇÃO nº 890 | 07/04/2017 EDIÇÃO nº 889 | 31/03/2017 EDIÇÃO nº 888| 24/03/2017 EDIÇÃO nº 887 | 17/03/2017 EDIÇÃO nº 886 | 10/03/2017 EDIÇÃO nº 885 | 03/03/2017 EDIÇÃO nº 884 | 24/02/2017 EDIÇÃO nº 883 | 17/02/2017 EDIÇÃO nº 882 | 10/02/2017 EDIÇÃO nº 881 | 03/02/2017 EDIÇÃO nº 880 | 27/01/2017 EDIÇÃO nº 879 | 23/01/2017 EDIÇÃO nº 878 | 13/01/2017 EDIÇÃO nº 877 | 09/01/2017 EDIÇÃO nº 876 | 30/12/2016 EDIÇÃO nº 875 | 23/12/2016 EDIÇÃO nº 874 | 16/12/2016 EDIÇÃO nº 873 | 12/12/2016 EDIÇÃO nº 872 | 02/12/2016 EDIÇÃO nº 871 | 25/11/2016 EDIÇÃO nº 870 | 18/11/2016 EDIÇÃO nº 869 | 11/11/2016 EDIÇÃO nº 868 | 04/11/2016 EDIÇÃO nº 867 | 28/10/2016 EDIÇÃO nº 866 | 21/10/2016 EDIÇÃO nº 865 | 14/10/2016 EDIÇÃO nº 862 | 24/09/2016 EDIÇÃO nº 861 | 16/09/2016 EDIÇÃO nº 860 | 09/09/2016 EDIÇÃO nº 859 | 02/09/2016 EDIÇÃO nº 858 | 26/08/2016 EDIÇÃO nº 855 | 22/08/2016 EDIÇÃO nº 854 | 29/07/2016 EDIÇÃO nº 853 | 22/07/2016 EDIÇÃO nº 852 | 15/07/2016 EDIÇÃO nº 851 | 08/07/2016 EDIÇÃO nº 850 | 01/07/2016 EDIÇÃO nº 849 | 24/06/2016 EDIÇÃO nº 848 | 17/06/2016 EDIÇÃO nº 847 | 10/06/2016 EDIÇÃO nº 846 | 03/06/2016 EDIÇÃO nº 845 | 27/05/2016 EDIÇÃO nº 844 | 20/05/2016 EDIÇÃO nº 843 | 13/05/2016 EDIÇÃO nº 842 | 06/05/2016 EDIÇÃO nº 841 | 29/04/2016 EDIÇÃO nº 840 | 22/04/2016 EDIÇÃO nº 839 | 15/04/2016 EDIÇÃO nº 838 | 08/04/2016 EDIÇÃO nº 837 | 01/04/2016 EDIÇÃO nº 836 | 25/03/2016 EDIÇÃO nº 835 | 19/03/2016 EDIÇÃO nº 834 | 11/03/2016 EDIÇÃO nº 833 | 04/03/2016 EDIÇÃO nº 832 | 26/02/2016 EDIÇÃO nº 831 | 18/02/2016 EDIÇÃO nº 830 | 12/02/2016 EDIÇÃO nº 829 | 05/02/2016 EDIÇÃO nº 828 | 29/01/2016 EDIÇÃO nº 827 | 22/01/2016 EDIÇÃO nº 826 | 15/01/2016 EDIÇÃO nº 825 | 08/01/2016 EDIÇÃO nº 824 | 01/01/2016 EDIÇÃO nº 823 | 25/12/2015 EDIÇÃO nº 822 | 18/12/2015 EDIÇÃO nº 821 | 11/12/2015 EDIÇÃO nº 820 | 04/12/2015 EDIÇÃO nº 819 | 27/11/2015 EDIÇÃO nº 818 | 20/11/2015 EDIÇÃO nº 817 | 13/11/2015 EDIÇÃO nº 816 | 06/11/2015 EDIÇÃO nº 815 | 30/10/2015 EDIÇÃO nº 814 | 23/10/2015 EDIÇÃO nº 813 | 16/10/2015 EDIÇÃO nº 812 | 09/10/2015 EDIÇÃO nº 811 | 02/10/2015 EDIÇÃO nº 810 | 25/09/2015 EDIÇÃO nº 809 | 18/09/2015 EDIÇÃO nº 808 | 11/09/2015 EDIÇÃO nº 807 | 04/09/2015 EDIÇÃO nº 806 | 28/08/2015 EDIÇÃO nº 805 | 21/08/2015 EDIÇÃO nº 804 | 14/08/2015 EDIÇÃO nº 803 | 07/08/2015 EDIÇÃO nº 802 | 31/07/2015 EDIÇÃO nº 801 | 24/07/2015 EDIÇÃO nº 800 | 17/07/2015 EDIÇÃO nº 799 | 10/07/2015 EDIÇÃO nº 798 | 26/06/2015 EDIÇÃO nº 797 | 19/06/2015 EDIÇÃO nº 796 | 12/06/2015 EDIÇÃO nº 795 | 05/06/2015 EDIÇÃO nº 794 | 29/05/2015 EDIÇÃO nº 793 | 22/05/2015 EDIÇÃO nº 792 | 15/05/2015 EDIÇÃO nº 791 | 07/05/2015 EDIÇÃO nº 790 | 01/05/2015 EDIÇÃO nº 788 | 17/04/2015 EDIÇÃO nº 787 | 10/04/2015 EDIÇÃO nº 786 | 03/04/2015 EDIÇÃO nº 785 | 27/03/2015 EDIÇÃO nº 784 | 20/03/2015 EDIÇÃO nº 781 | 20/02/2015 EDIÇÃO nº 779 | 06/02/2015 EDIÇÃO nº 778 | 30/01/2015 EDIÇÃO nº 777 | 23/01/2015 EDIÇÃO nº 776 | 16/01/2015 EDIÇÃO nº 775 | 09/01/2015