EDIÇÃO nº 954 | 29/06/2018

EDIÇÃO nº 954 | 29/06/2018

O quanto as escolhas afetam nossas vidas?

 

Na vida a gente não consegue fugir das escolhas. Se eu lhe dissesse: “Fulano, escolha”. E, você me respondesse: “Eu, não quero escolher”. Assim mesmo você teria feito uma escolha, não é verdade? Não se pode fugir das nossas escolhas!

O próximo passo importante que devemos dar é entender o que motiva as nossas escolhas. Cheguei a duas vertentes básicas: escolhemos ou por medo ou por amor. Amor aqui entendido como fé, como acreditar.
Precisamos compreender que cada vez que fazemos uma escolha é como se plantássemos uma semente, metaforicamente falando. Em condições adequadas, cada semente germinará e nos dará uma colheita. Assim, se planto abacaxi não poderei colher abacate... Se escolho o medo ao invés do amor logo minha colheita será de medo. Em outras palavras, causa e consequência. Ao não podermos fugir de nossas escolhas não podemos fugir de nossas responsabilidades por elas.
Quero agregar a esta reflexão. Imagine um lago redondo no meio do qual jogamos uma pedra. Ao cair, o que a pedra forma? Um ou vários círculos concêntricos que se espalham ao longo do lago. Crio esta imagem, para dizer que o ato da escolha não se encerra na ação de escolher. Ele reverbera por toda nossa vida além de onde nossos olhos e imaginação podem enxergar. Um exemplo: ao escolher fumar, estou também escolhendo minha morte... ou a causa dela.
Mais um exemplo. Vamos supor que, em meu trabalho, eu tenha um chefe autocrático que me chama a atenção aos gritos na frente de meus colegas. Eu não gosto disso. A partir desse fato tenho a possibilidade da escolha. Ou me calo por medo, ou resolvo mudar este comportamento que não me agrada. Vamos dizer que eu me cale por medo de perder o emprego.
Esta escolha terá várias (colheitas) consequências intra e interpessoais... Inicialmente, aquilo que não falo por medo, sou obrigado a engolir. Fisicamente, sento azia, depois gastrite, úlcera e assim por diante. Mentalmente torno-me não produtivo. Emocionalmente, posso chegara ao estresse. Espiritualmente, frustro a possibilidade de exercer meu papel profissional na íntegra. No ambiente de trabalho, perpetuo o que ocorre sem a possibilidade de contribuir para uma mudança.
Vamos imaginar agora que eu escolha por amor/fé. Nada me garante que eu não seja mandado embora. No entanto, se eu quiser mudar uma situação preciso sempre correr riscos e ter fé, acreditando que conseguirei.
A alternativa então é chamar este chefe para uma conversa e expressar-lhe que cada vez que faz isto comigo, ele mexe com minha autoestima, diminuindo-a bem como minha autoridade perante os colegas. Posso pedir-lhe para que imagine se fosse ao contrario e ele estivesse em meu lugar. Posso ainda dizer-lhe, que como chefe, tem o direito de chamar-me a atenção, porém, que o faça de outra forma.
Há mais uma reflexão adicional que quero compartilhar com você. Creio firmemente que nossa vida nada mais é que uma grande escola para nos ensinar a lidar com nossos medos. Imagine uma faculdade. No primeiro ano, medos simples, no segundo medos sutis, no terceiro medos complexos e assim por diante. Cada vez que passamos de ano nos credenciamos a lidar com desafios diferentes. Quanto mais cedo aprendemos a não fugir, acolher e conversar com nosso medos enfrentando-os, mais cedo nos capacitamos a viver plenamente todos os nossos papéis sociais. Somos seres destinados a vivê-los plenamente dando sentido à nossa existência e, muitas vezes, à existência de outros seres humanos. Pronto para escolher? Por Ricardo Farah, coach

 

Seguro da seleção brasileira soma US$ 1,46 bilhão

 

A seleção brasileira tem o terceiro seguro mais caro entre os times que disputam a Copa do Mundo na Rússia. Somado, os seguros dos jogadores brasileiros atinge o montante de US$ 1,46 bilhão, de acordo com pesquisa da Lloyds

O time brasileiro fica atrás apenas do da França, que soma US$ 1,9 bilhão em seguro, e Inglaterra, com US$ 1,55 bilhão.
O levantamento também aponta que os atacantes são os jogadores mais valiosos, com uma média de US$ 27 milhões em seguros. Já os meio-campistas contam com a maior porcentagem do valor segurado, com 38%. Os jogadores entre 18 e 24 anos tem a maior média de valor segurado, de aproximadamente US$ 28 milhões. Fonte: Sincor - SP

 

OCB se manifesta sobre atuação no mercado de seguros

 

A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) divulgou nota posicionando-se sobre o suposto envolvimento de cooperativas em operações ilegais de seguros de veículos. A nota deixa claro que as sociedades cooperativas, atualmente, só podem operar com seguros de saúde, agrícola ou acidentes de trabalho. 

Segundo a OCB, qualquer outra atuação fora dessas três áreas, e que utilize indevidamente a forma ou o nome ‘cooperativa’, não tem o respaldo da entidade, muito menos autorização legal para funcionar como uma sociedade nos moldes cooperativistas.
A íntegra da nota: A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), representante do setor cooperativista no país, não compactua com este caso específico citado na operação da Polícia Federal. De acordo com a legislação atual (Decreto-Lei 73/1966), as sociedades cooperativas estão restritas apenas a operar com seguros de saúde, agrícola e acidente de trabalho. Qualquer outra atuação que não nesses setores, e que utilize indevidamente a forma ou o nome “cooperativa”, não tem o respaldo da OCB e nem autorização para funcionar como uma sociedade cooperativa.
A OCB acompanha as discussões, incluindo o monitoramento do Projeto de Lei (PL) nº 3139/2015, que traz a possibilidade de ampliar a oferta de seguros por cooperativas e, também, associações. O parecer em questão foi apresentado em março, na Câmara dos Deputados, e cabe ainda debate e votação. A atuação das cooperativas no mercado de seguros é uma realidade em quase 80 países e beneficia cerca de 915* milhões de pessoas (físicas e jurídicas).
No Brasil, a Lei Geral das Cooperativas (5.764/1971) incentiva o cooperativismo a atuar em qualquer setor e atividade. O modelo cooperativo é baseado no auxílio mútuo, o cooperado divide os bônus e ônus da operação e não é um consumidor. Possui dupla condição: usuário e dono da cooperativa. Ressaltamos que a OCB tem o papel de reforçar os valores desse modelo de negócio, zelando pela transparência, desenvolvimento local e participação democrática. Fonte: OCB

 

Frases comuns que não devem ser usado em e-mails para segurados

Em um estudo publicado no Journal Of Personality And Social Psychologyl, em 78% das vezes, as pessoas que escrevem emails achavam que os leitores identificariam corretamente o tom das mensagens. Apenas 56% dos e-mails foram interpretados com precisão.

Isso significa que, quando você envia um email para um cliente, existe uma boa chance de ele não entender totalmente a sua intenção. Como você pode testar seus emails para evitar que eles sejam mal interpretados pelos clientes? Comece eliminando os excessos. As frases comuns a seguir são desnecessárias, clichês e fáceis de serem mal-entendidas. Elimine-as do seu repertório de email para aperfeiçoar sua comunicação com os clientes.
"Desculpe incomodá-lo". Você pode dizer isso quando quiser demonstrar educação ou consideração pelo tempo do cliente, mas abrir um email com um pedido de desculpas prejudica sua credibilidade na hora. É interesse do seu cliente cooperar com o corretor, por isso não há necessidade de pedir desculpas por enviar a ele um email de trabalho legítimo que vai ajudar em um interesse dele. Em vez de se desculpar, vá direto ao ponto: Por que é você está entrando em contato com ele?
"Nós nos falamos". Essa é uma das frases mais usadas no mundo corporativo, mas ela não precisa ser usada nos seus emails para os clientes. O maior problema dela é que ela é muito vaga. É uma frase vazia, que não explica ao cliente o que você quer discutir, deixando-o completamente no escuro. Substitua-a por uma frase mais realista, que informe ao cliente quais são as próximas etapas. Por exemplo: “Vamos organizar os documentos necessários”.
“Para ser sincero com você...” Essa é complicada. Ela costuma ser usada para enfatizar uma afirmação franca ou para suavizar o impacto de um comentário duro, mas pode ter exatamente o efeito oposto. O cliente pode pensar, por exemplo: “Então você não estava sendo sincero antes?” Essa frase aparentemente inofensiva pode dar a entender que você estava o tempo todo escondendo suas verdadeiras opiniões, o que evidentemente não é bom para construir confiança. O cliente escolheu você por sua expertise, portanto ele espera que você compartilhe opiniões verdadeiras de um jeito aberto e honesto, não apenas em situações específicas.
"Você deve... " Sim, seu cliente contratou você para orientá-lo, mas não para você tomar as decisões por ele. Pessoalmente, começar uma frase com “Você deve” pode parecer OK, mas por e-mail ela pode ser mal interpretada como controladora e desdenhosa. No lugar disso, use "Eu recomendo... ". Assim, sua opinião vai ser considerada como uma orientação amigável. Ofereça alternativas a seu cliente, e não ultimatos.
“Sem problemas”. Especialistas em atendimento ao cliente discordam: "Sem problemas" pode ser um grande problema. Essa frase cortês pode comunicar sutilmente ao seu cliente que sempre que você faz algo para ele, isso é um problema. "Sem problemas" parece que você está perdoando seu cliente por uma ofensa.
"Eu vou tentar..." Quando você responde a uma solicitação do cliente com “Vou tentar fazer até quarta-feira” ou “Vou tentar encontrar a melhor opção" não está passando confiança na sua capacidade de realizar o trabalho. Pior, o cliente pode achar que você está desinteressado ou que não está totalmente envolvido.
Na comunicação por email, sem a ajuda da linguagem corporal e do tom, é importante transmitir informações em termos precisos e detalhados. Mesmo se você não souber legitimamente quando vai conseguir concluir uma tarefa, dê um prazo realista ao cliente. Seja claro quanto ao seu prazo e suas prioridades.
“O problema é que...” É inevitável que surjam dúvidas ao negociar com um cliente, mas o que realmente importa é a maneira que você as encara. Em vez de considerar um problema como um problema, tente explicá-lo como um desafio específico que tem uma solução conhecida. As informações adicionais vão assegurar o cliente de que você sabe exatamente o que é melhor para ele.
"Eu entendo totalmente como você se sente". Antes de escrever isso em um email, pare e pense: Você já esteve nesta situação exata antes? Não? Então, não escreva essa frase. Você só vai frustrar um cliente já frustrado. "Eu entendo como você se sente" pode parecer algo bem-intencionado para escrever a um cliente que esteja enfrentando desafios, mas pode soar distante e condescendente em um email.
Experimente: "Eu sei que isso é muito frustrante para você, mas quero que você saiba que vamos cuidar disso o quanto antes.” Um texto orientado para a ação vai consolar muito mais o cliente do que desculpas vagas.
"Como eu mencionei antes... " Algumas vezes, pode parecer que você está explicando sempre a mesma coisa para os clientes, mas é importante evitar essa frase que acaba com o moral. Uma pessoa recebe em média 122 emails por dia, então você terá que perdoar seus clientes se eles ocasionalmente se perderem nas comunicações.
Em vez de chamar a atenção pelo fato de você estar se repetindo (por mais que isso possa dar um enorme prazer), tente pensar que, assim como você, seu cliente vive ocupado e, às vezes, deixa passar alguns detalhes despercebidos. Se um cliente insistir nesse erro, a melhor coisa a fazer é marcar uma reunião presencial ou falar por telefone. Nem tudo pode ser resolvido por email.
"Se eu puder fazer mais alguma coisa por você, por favor, me avise." A frase pode ser o golpe de misericórdia para sua caixa de entrada, pois ela dá margem a um bombardeio de solicitações e pedidos do cliente, inclusive fora do que está sendo tratado. Perguntar se você pode ajudar seu cliente com qualquer outra coisa parece ser uma forma perfeitamente inofensiva de encerrar um email, mas, dá a entender que você está disposto a acomodar toda e qualquer solicitação que surja. Em vez de abrir as portas para toda e qualquer solicitação nova, seja preciso: "Me avise se você tiver dúvidas específicas sobre o seguro que acabou de contratar". Fonte: Segs

 

 

Saúde

Os benefícios do Pinhão

A semente é fonte de fibras, proteínas, carboidratos e de minerais importantes como o potássio, o cálcio, o ferro e o zinco. As fibras são aliadas do funcionamento saudável do intestino. Essa característica nutricional contribui para o controle do colesterol, auxiliando na eliminação dos sais biliares (substâncias produzidas por meio do colesterol e utilizadas na digestão das gorduras).
O potássio, nutriente importante do alimento, é um vasodilatador. Como contribui para o aumento do diâmetro das artérias, o sangue passa a circular com mais facilidade no organismo, reduzindo, dessa forma, a pressão arterial. Consequentemente, ambos os nutrientes ajudam a evitar doenças cardiovasculares. Destacam-se, ainda, os carboidratos. “O nele contido é do tipo complexo. Ou seja, garante maior saciedade e estimula o equilíbrio intestinal, recuperando a flora bacteriana e melhorando o sistema imunológico”, informa a nutricionista Alline Cristina Schüncke (SP).
Como todo alimento, é necessário consumir de forma equilibrada. O pinhão é uma semente bastante calórica e rica em carboidratos. Isso significa que ele garante energia para as atividades do dia a dia, mas é necessário ficar atento às porções. De acordo com a nutricionista Alline, ele deve ser consumido no almoço ou no jantar, acompanhado de salada ou algum tipo de carne.
A recomendação é ingerir 100 g por dia (10 unidades), o equivalente a 174 kcal. O pinhão pode fazer parte da alimentação de qualquer pessoa, sem restrição de idade, desde que seja seguida a recomendação diária de consumo. Fonte: Viva Saúde

 

Orientação Segura

Você escolhe ser ousado ou covarde?

Os ousados muitas vezes quebram a cara, mas 100% dos que realizaram seus projetos de vida, com certeza, foram muito ousados. Os covardes não correm riscos e, por isso, nunca quebram a cara, mas 100% dos covardes jamais realizarão seus projetos de vida, pois passarão toda a vida fugindo e buscando segurança, privilégios e garantias para não fracassarem.
Não há garantias. Há oportunidades. O que você tem feito com essas oportunidades? Qual é o seu projeto de vida? Aonde você quer chegar? Como você tem se relacionado com o medo, enfrentando ou fugindo? Geração de Valor

 

Ação positiva

 

"Tudo o que você realiza ou deixa de realizar na vida é o resultado direto dos seus pensamentos." James Allen

Sub-categorias

EDIÇÃO nº 956 | 13/07/2018 EDIÇÃO nº 955 | 06/07/2018 EDIÇÃO nº 954 | 29/06/2018 EDIÇÃO nº 953 | 22/06/2018 EDIÇÃO nº 952 | 15/06/2018 EDIÇÃO nº 951 | 08/06/2018 EDIÇÃO nº 950 | 01/06/2018 EDIÇÃO nº 949 | 25/05/2018 EDIÇÃO nº 948 | 18/05/2018 EDIÇÃO nº 947 | 11/05/2018 EDIÇÃO nº 946 | 04/05/2018 EDIÇÃO nº 945 | 27/04/2018 EDIÇÃO nº 944 | 20/04/2018 EDIÇÃO nº 943 | 13/04/2018 EDIÇÃO nº 942 | 06/04/2018 EDIÇÃO nº 941 | 30/03/2018 EDIÇÃO nº 940 | 23/03/2018 EDIÇÃO nº 939 | 16/03/2018 EDIÇÃO nº 938 | 09/03/2018 EDIÇÃO nº 937 | 02/03/2018 EDIÇÃO nº 936 | 23/02/2018 EDIÇÃO nº 935 | 16/02/2018 EDIÇÃO nº 934 | 09/02/2018 EDIÇÃO nº 933 | 02/02/2018 EDIÇÃO nº 932 | 26/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 22/01/2018 EDIÇÃO nº 931 | 19/01/2018 EDIÇÃO nº 930 | 12/01/2018 EDIÇÃO nº 929 | 05/01/2017 EDIÇÃO nº 928 | 29/12/2017 EDIÇÃO nº 927 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 22/12/2017 EDIÇÃO nº 926 | 15/12/2017 EDIÇÃO nº 925 | 08/12/2017 EDIÇÃO nº 924 | 01/12/2017 EDIÇÃO nº 923 | 24/11/2017 EDIÇÃO nº 922 | 17/11/2017 EDIÇÃO nº 921 | 10/11/2017 EDIÇÃO nº 920 | 03/11/2017 EDIÇÃO nº 919 | 27/10/2017 EDIÇÃO nº 918 | 20/10/2017 EDIÇÃO nº 917 | 13/10/2017 EDIÇÃO nº 916 | 06/10/2017 EDIÇÃO nº 915 | 29/09/2017 EDIÇÃO nº 914 | 22/09/2017 EDIÇÃO nº 913 | 15/09/2017 EDIÇÃO nº 912 | 08/09/2017 EDIÇÃO nº 911 | 01/09/2017 EDIÇÃO nº 910 | 25/08/2017 EDIÇÃO nº 909 | 18/08/2017 EDIÇÃO nº 908 | 11/08/2017 EDIÇÃO nº 907 | 04/08/2017 EDIÇÃO nº 906 | 28/07/2017 EDIÇÃO nº 905 | 21/07/2017 EDIÇÃO nº 904 | 14/07/2017 EDIÇÃO nº 903 | 07/07/2017 EDIÇÃO nº 902 | 30/06/2017 EDIÇÃO nº 901 | 23/06/2017 EDIÇÃO nº 900 | 16/06/2017 EDIÇÃO nº 899 |09/06/2017 EDIÇÃO nº 898 | 02/06/2017 EDIÇÃO nº 897 | 26/05/2017 EDIÇÃO nº 896 | 19/05/2017 EDIÇÃO nº 895 | 12/05/2017 EDIÇÃO nº 894 | 05/05/2017 EDIÇÃO nº 893 | 28/04/2017 EDIÇÃO nº 892 | 21/04/2017 EDIÇÃO nº 891 | 14/04/2017 EDIÇÃO nº 890 | 07/04/2017 EDIÇÃO nº 889 | 31/03/2017 EDIÇÃO nº 888| 24/03/2017 EDIÇÃO nº 887 | 17/03/2017 EDIÇÃO nº 886 | 10/03/2017 EDIÇÃO nº 885 | 03/03/2017 EDIÇÃO nº 884 | 24/02/2017 EDIÇÃO nº 883 | 17/02/2017 EDIÇÃO nº 882 | 10/02/2017 EDIÇÃO nº 881 | 03/02/2017 EDIÇÃO nº 880 | 27/01/2017 EDIÇÃO nº 879 | 23/01/2017 EDIÇÃO nº 878 | 13/01/2017 EDIÇÃO nº 877 | 09/01/2017 EDIÇÃO nº 876 | 30/12/2016 EDIÇÃO nº 875 | 23/12/2016 EDIÇÃO nº 874 | 16/12/2016 EDIÇÃO nº 873 | 12/12/2016 EDIÇÃO nº 872 | 02/12/2016 EDIÇÃO nº 871 | 25/11/2016 EDIÇÃO nº 870 | 18/11/2016 EDIÇÃO nº 869 | 11/11/2016 EDIÇÃO nº 868 | 04/11/2016 EDIÇÃO nº 867 | 28/10/2016 EDIÇÃO nº 866 | 21/10/2016 EDIÇÃO nº 865 | 14/10/2016 EDIÇÃO nº 862 | 24/09/2016 EDIÇÃO nº 861 | 16/09/2016 EDIÇÃO nº 860 | 09/09/2016 EDIÇÃO nº 859 | 02/09/2016 EDIÇÃO nº 858 | 26/08/2016 EDIÇÃO nº 855 | 22/08/2016 EDIÇÃO nº 854 | 29/07/2016 EDIÇÃO nº 853 | 22/07/2016 EDIÇÃO nº 852 | 15/07/2016 EDIÇÃO nº 851 | 08/07/2016 EDIÇÃO nº 850 | 01/07/2016 EDIÇÃO nº 849 | 24/06/2016 EDIÇÃO nº 848 | 17/06/2016 EDIÇÃO nº 847 | 10/06/2016 EDIÇÃO nº 846 | 03/06/2016 EDIÇÃO nº 845 | 27/05/2016 EDIÇÃO nº 844 | 20/05/2016 EDIÇÃO nº 843 | 13/05/2016 EDIÇÃO nº 842 | 06/05/2016 EDIÇÃO nº 841 | 29/04/2016 EDIÇÃO nº 840 | 22/04/2016 EDIÇÃO nº 839 | 15/04/2016 EDIÇÃO nº 838 | 08/04/2016 EDIÇÃO nº 837 | 01/04/2016 EDIÇÃO nº 836 | 25/03/2016 EDIÇÃO nº 835 | 19/03/2016 EDIÇÃO nº 834 | 11/03/2016 EDIÇÃO nº 833 | 04/03/2016 EDIÇÃO nº 832 | 26/02/2016 EDIÇÃO nº 831 | 18/02/2016 EDIÇÃO nº 830 | 12/02/2016 EDIÇÃO nº 829 | 05/02/2016 EDIÇÃO nº 828 | 29/01/2016 EDIÇÃO nº 827 | 22/01/2016 EDIÇÃO nº 826 | 15/01/2016 EDIÇÃO nº 825 | 08/01/2016 EDIÇÃO nº 824 | 01/01/2016 EDIÇÃO nº 823 | 25/12/2015 EDIÇÃO nº 822 | 18/12/2015 EDIÇÃO nº 821 | 11/12/2015 EDIÇÃO nº 820 | 04/12/2015 EDIÇÃO nº 819 | 27/11/2015 EDIÇÃO nº 818 | 20/11/2015 EDIÇÃO nº 817 | 13/11/2015 EDIÇÃO nº 816 | 06/11/2015 EDIÇÃO nº 815 | 30/10/2015 EDIÇÃO nº 814 | 23/10/2015 EDIÇÃO nº 813 | 16/10/2015 EDIÇÃO nº 812 | 09/10/2015 EDIÇÃO nº 811 | 02/10/2015 EDIÇÃO nº 810 | 25/09/2015 EDIÇÃO nº 809 | 18/09/2015 EDIÇÃO nº 808 | 11/09/2015 EDIÇÃO nº 807 | 04/09/2015 EDIÇÃO nº 806 | 28/08/2015 EDIÇÃO nº 805 | 21/08/2015 EDIÇÃO nº 804 | 14/08/2015 EDIÇÃO nº 803 | 07/08/2015 EDIÇÃO nº 802 | 31/07/2015 EDIÇÃO nº 801 | 24/07/2015 EDIÇÃO nº 800 | 17/07/2015 EDIÇÃO nº 799 | 10/07/2015 EDIÇÃO nº 798 | 26/06/2015 EDIÇÃO nº 797 | 19/06/2015 EDIÇÃO nº 796 | 12/06/2015 EDIÇÃO nº 795 | 05/06/2015 EDIÇÃO nº 794 | 29/05/2015 EDIÇÃO nº 793 | 22/05/2015 EDIÇÃO nº 792 | 15/05/2015 EDIÇÃO nº 791 | 07/05/2015 EDIÇÃO nº 790 | 01/05/2015 EDIÇÃO nº 788 | 17/04/2015 EDIÇÃO nº 787 | 10/04/2015 EDIÇÃO nº 786 | 03/04/2015 EDIÇÃO nº 785 | 27/03/2015 EDIÇÃO nº 784 | 20/03/2015 EDIÇÃO nº 781 | 20/02/2015 EDIÇÃO nº 779 | 06/02/2015 EDIÇÃO nº 778 | 30/01/2015 EDIÇÃO nº 777 | 23/01/2015 EDIÇÃO nº 776 | 16/01/2015 EDIÇÃO nº 775 | 09/01/2015