topo

Postado em 21 de Maio às

Contratação de seguro ainda é incipiente em pequenas empresas

Mercado (2)

Segmento apresenta tímido crescimento entre as seguradoras, apesar de sua importância para a sustentabilidade do negócio, diz Sebrae-SP

A Etna Transformadores, empresa paulistana que fabrica transformadores elétricos há mais de 25 anos, tem o seguro patrimonial do negócio contratado praticamente desde a abertura. “Trabalhamos com materiais muito visados, como alumínio e o cobre. Por isso, contratamos apólices há mais de 20 anos. Inicialmente era apenas contra roubo e incêndio, mas fomos acrescentando coberturas, como risco elétrico e até queda de aeronave. É improvável, mas não impossível”, conta o diretor da empresa, Marcelo Cervantes Garcia. Apesar da importância de segurar o negócio de sinistros (eventos externos que podem prejudicar os bens materiais do negócio) e também do Decreto 61.867/1967, que obriga pessoas jurídicas a contratarem seguro contra incêndio, o exemplo de Garcia ainda é pouco comum entre os micro e pequenos empresários.

Segundo o consultor do Sebrae-SP, Nelson Endrigo Junior o segmento ainda apresenta tímido crescimento no número de contratações entre as seguradoras, apesar de sua importância para a sustentabilidade do negócio. “Esse é um produto barato, mas os empresários não o conhecem. O seguro de responsabilidade civil garante uma cobertura para gastos judiciais, caso um cliente fique insatisfeito com o serviço da sua empresa”, completa. Para ele, o valor da apólice deve fazer parte dos gastos básicos inseridos no plano de negócio, antes mesmo da abertura da empresa.

“Existem muitos fatos que fogem do controle e podem fazer o empreendedor não ter fôlego para reagir. Há vários exemplos, como imprevistos com carros da empresa, com a carga ou até mesmo um acidente com funcionários. E o pequeno que faz tudo sozinho vai ser afetado diretamente nas finanças e na estabilidade da empresa caso algo aconteça. O seguro patrimonial é um suporte para estes imprevistos”, diz Endrigo Junior.

Produtos
O gerente de Ramos Elementares da Porto Seguro, Marcelo Santana, afirma que a empresa cresceu 7%, comparado ao mesmo período do ano anterior, no segmento de pequenas e médias empresas, incluindo os produtos voltados para o microempreendedor individual. No mesmo período, a expansão para outros segmentos na empresa foi de 10%.

Atualmente, as seguradoras oferecem vários tipos de produtos com especificações para diferentes tipos de negócios e seus riscos, contemplando as particularidades de cada um. As coberturas variam desde eventos externos, como incêndio, pane elétrica causada pela queda de raios, riscos atribuídos aos funcionários até a cobertura de pagamento de aluguel ou mesmo o reembolso para gastos judiciais com indenizações ocasionadas a terceiros, como é o caso do seguro de responsabilidade civil.

A superintendente executiva de produtos massificados e especiais do grupo segurador Banco do Brasil e Mapfre, Patrícia Siequeroli, conta que o grupo – líder no ramo de seguros gerais do País -, desenvolveu apólices específicas para micro, pequenos e médios empresários. “Definimos particularidades, tanto para o MEI, que tem crescido bastante e assumiu destaque na economia, quanto para nichos. Nos adequamos para entender a especificidade de cada tipo de negócio. Conseguimos mapear 21 atividades com riscos específicos”, diz Patrícia. Segundo ela, os valores de alguns seguros giram entre R$ 800 e R$ 900 por ano, com acréscimo no valor conforme o aumento da cobertura.

“Para MEIs que trabalham em casa, oferecemos cobertura para danos causados na área do escritório em apólices residenciais. Se o computador desse profissional é seu instrumento de trabalho e algo acontece, como uma pane elétrica, seu faturamento acaba comprometido. Por isso temos essa cláusula dentro do contrato”, diz o gerente da Porto Seguro.

O diretor da Etna, Marcelo Garcia, afirma que em mais de 20 anos nunca precisou usar o serviço, mas não se arrepende de contratá-lo. “É melhor do que ser pego de surpresa.” Como alerta, Endrigo Junior diz que empresas com estoques devem contratar, pelo menos, apólice contra roubo. O consultor do Sebrae-SP também ressalta que o seguro não é investimento, mas pode garantir a estabilidade da empresa.

Fonte: Exame

Veja também

Mensageiro Seguro 98425/01 Os seguros de obras O presidente da Comissão de Riscos de Engenharia da FenSeg, Fabio Silva, fala sobre as características dos seguros de Riscos de Engenharia. Os seguros de obras são contratados no Ramo de Seguro denominado Riscos de Engenharia. É um seguro que tem como objetivo garantir a indenização relacionada aos danos súbitos e imprevistos ocorridos......
Mensageiro Seguro 97416/11/18 ICP-Brasil tem crescimento recorde nos últimos dois anos A expansão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil nos últimos dois anos é fato notório. Somente em 2018, a Infraestrutura teve......
Mensageiro Seguro 99120/03 Seguradora Líder divulga principais números do DPVAT 2018 Em 2018, a Seguradora Líder pagou 328.142 indenizações do Seguro DPVAT a acidentados de trânsito e seus beneficiários. O número corresponde a......

Voltar para Blog